Exotermia


Queime e abrace
a chama que dança
na beirada da mesa

A interface da face,
o pé da cadeira,
a flor da couve,
as bruxelas almiscaradas
o nó das orelhas.

O ruflar de tambores
do imenso desespero
de cinco dedos em desejo
e dois donos de uma só mão,

a cera derrete e escorre
não há mais chama,
a escuridão derrama

as mariposas perdidas
na luz do lampião,

o amor é lamparina
e a chama, paixão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s